Agressões sexuais no Exército dos EUA alcançam nível recorde  ISTOÉVer cobertura completa no Google Notícias
A mais combativa revista semanal de informação e interesse geral do BrasilO número de agressões sexuais no Exército dos Estados Unidos cresceu 13% em um ano, atingindo um nível recorde em 2021, após uma breve estabilização, aponta o relatório anual do Pentágono, divulgado nesta quinta-feira....

Agressões sexuais no Exército dos EUA alcançam nível recorde - ISTOÉ Independente

g1.globo.com

O número de agressões sexuais no Exército dos Estados Unidos cresceu 13% em um ano, atingindo um nível recorde em 2021, após uma breve estabilização, aponta o relatório anual do Pentágono, divulgado nesta quinta-feira.O número de agressões sexuais no Exército dos Estados Unidos cresceu 13% em um ano, atingi...

Agressões sexuais no Exército dos EUA alcançam nível recorde - 01/09/2022 - UOL Notícias

Os militares dos EUA viram um aumento impressionante no número de agressões sexuais relatadas por militares no ano passado, com o Exército e a MarinhaOs militares dos EUA viram um aumento impressionante no número de agressões sexuais relatadas por militares no ano passado, com o Exército e a Marinha

As agressões sexuais do exército aumentam 26%, a Marinha também vê um grande aumento nos casos - ETC E POP!

O número de agressões sexuais no Exército dos Estados Unidos cresceu 13% em um ano, atingindo um nível recorde em 2021, após uma breve estabilização, aponta o relatório anual do Pentágono, divulgado nesta quinta-feira. De acordo com o Escritório de Prevenção e Resposta à Agressão Sexual (SAPR, sigla em inglês) do Departamento de Defesa, 8.866 agressões e crimes sexuais foram denunciados no ano passado, contra 7.816 em 2020. No entanto, apenas uma proporção baixa das agressões sexuais é denunciada. Segundo uma investigação mais ampla feita pelo SAPR, cerca de 36.000 militares teriam sofrido contatos sexuais indesejados, desde toques até estupros, no exercício fiscal concluído em março de 2021, o que representa um aumento de 35% em relação ao ano anterior. A partir dessas cifras, o escritório estimou uma taxa de prevalência de agressões sexuais - denunciadas ou não - de 8,4% em mulheres e 1,5% para homens em 2021. Essas cifras são trágicas e extremamente decepcionantes ,comentou Beth Foster, diretora do escritório a cargo do bem-estar das Forças Armadas americanas, ao destacar a taxa de prevalência mais alta já detectada em mulheres. As denúncias aumentaram de 26% no Exército, contra 19,2% na Marinha e 2% na Força Aérea e no corpo de marines. Esse relatório mostra com uma precisão terrível que as agressões sexuais e o assédio continuam sendo problemas persistentes e destrutivos para nossos soldados , comentou o secretário de Defesa, Lloyd Austin, em mensagem ao alto comando militar. O presidente Joe Biden lançou em janeiro uma reforma da justiça militar, para que as agressões sexuais no Exército sejam consideradas crimes. As agressões sexuais, a violência doméstica e as agressões contra menores passam a ser julgadas por uma corte marcial, e a decisão de perseguir os responsáveis será confiada a promotores especializados, e não mais à cadeia de comando.O número de agressões sexuais no Exército dos Estados Unidos cresceu 13% em um ano, atingindo um nível recorde em 2021, após uma breve estabilização, aponta o relatório anual do Pentágono, divulgado nesta quinta-feira. De acordo com o Escritório de Prevenção e Resposta à Agressão Sexual (SAPR, sigla em inglês) do Departamento de Defesa, 8.866 agressões e crimes sexuais foram denunciados no ano passado, contra 7.816 em 2020. No entanto, apenas uma proporção baixa das agressões sexuais é denunciada. Segundo uma investigação mais ampla feita pelo SAPR, cerca de 36.000 militares teriam sofrido contatos sexuais indesejados, desde toques até estupros, no exercício fiscal concluído em março de 2021, o que representa um aumento de 35% em relação ao ano anterior. A partir dessas cifras, o escritório estimou uma "taxa de prevalência" de agressões sexuais - denunciadas ou não - de 8,4% em mulheres e 1,5% para homens em 2021. "Essas cifras são trágicas e extremamente decepcionantes",comentou Beth Foster, diretora do escritório a cargo do bem-estar das Forças Armadas americanas, ao destacar a taxa de prevalência mais alta já detectada em mulheres. As denúncias aumentaram de 26% no Exército, contra 19,2% na Marinha e 2% na Força Aérea e no corpo de marines. "Esse relatório mostra com uma precisão terrível que as agressões sexuais e o assédio continuam sendo problemas persistentes e destrutivos para nossos soldados", comentou o secretário de Defesa, Lloyd Austin, em mensagem ao alto comando militar. O presidente Joe Biden lançou em janeiro uma reforma da justiça militar, para que as agressões sexuais no Exército sejam consideradas crimes. As agressões sexuais, a violência doméstica e as agressões contra menores passam a ser julgadas por uma corte marcial, e a decisão de perseguir os responsáveis será confiada a promotores especializados, e não mais à cadeia de comando.

www.swissinfo.ch