1. Novo decreto de Biden sobre aborto pode financiar viagens interestaduais nos EUA  ISTOÉ
  2. Joe Biden edita novo decreto sobre aborto e diz que rivais não têm noção do poder das mulheres  Globo
  3. Biden assinará decreto para proteger direito ao aborto | LIVE CNN  CNN Brasil
  4. Biden edita novo decreto sobre aborto, diz que republicanos não têm noção do poder das mulheres  Terra
  5. Biden emite ordem executiva na primeira reunião da força-tarefa sobre acesso à saúde reprodutiva  Globo
  6. Ver cobertura completa no Google Notícias
Por Nandita Bose e Jeff Mason WASHINGTON (Reuters) - O presidente Joe Biden disse nesta quarta-feira que a Suprema Corte e os republicanos ignoram o poder das mulheres norte-americanas ao assinar um segundo decreto destinado a proteger o direito ao aborto. O decreto pede que o Departamento de Saúde federal considere permitir o uso dePor Nandita Bose e Jeff Mason WASHINGTON (Reuters) - O presidente Joe Biden disse nesta quarta-feira que a Suprema Corte e os republicanos ignoram o poder das mulheres norte-americanas ao assinar um segundo decreto destinado a proteger o direito ao aborto. O decreto pede que o Departamento de Saúde federal considere permitir o uso de

Biden edita novo decreto sobre aborto, diz que republicanos não têm noção do poder das mulheres - ISTOÉ Independente

g1.globo.com

Americano pede em ordem executiva que Medicaid use fundos para auxiliar americanas que saem de seus estados para interromper a gravidezAmericano pede em ordem executiva que Medicaid use fundos para auxiliar americanas que saem de seus estados para interromper a gravidez

Biden propõe que seguro público banque viagens para aborto - 03/08/2022 - Mundo - Folha

Em 24 de junho, a Suprema Corte americana decidiu derrubar a decisão que garantia o direito das mulheres a abortar no país, revertendo a decisão Roe contra Wade de 1973Em 24 de junho, a Suprema Corte americana decidiu derrubar a decisão que garantia o direito das mulheres a abortar no país, revertendo a decisão Roe contra Wade de 1973

Biden assina lei que protege quem viajar para abortar dentro dos EUA

O texto equipa a agência de Saúde e Serviços Humanos para expandir a cobertura para pacientes que procuram atendimento fora do estadoO texto equipa a agência de Saúde e Serviços Humanos para expandir a cobertura para pacientes que procuram atendimento fora do estado

Biden deve assinar ordem executiva para proteger o acesso ao aborto | VEJA

O decreto vem um dia após eleitores do Kansas rejeitarem uma iniciativa que removeria as proteções ao aborto da Constituição do EstadoO decreto vem um dia após eleitores do Kansas rejeitarem uma iniciativa que removeria as proteções ao aborto da Constituição do Estado

Biden edita novo decreto sobre aborto, diz que republicanos não têm noção do poder das mulheres

A medida deve ter impacto limitado, já que republicanos estão pressionando uma onda de leis para restringir o serviço, o acesso a medicamentos e verbas para serviços relacionadosA medida deve ter impacto limitado, já que republicanos estão pressionando uma onda de leis para restringir o serviço, o acesso a medicamentos e verbas para serviços relacionados

Novo decreto de Biden sobre aborto pode financiar viagens interestaduais nos EUA - Brasil 247

Attention Required! | Cloudflare

Just a moment...

Just a moment...

Just a moment...

Por Nate Raymond (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou nesta sexta-feira uma advogada que representou a clínica do MississippiPor Nate Raymond (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou nesta sexta-feira uma advogada que representou a clínica do Mississippi

Biden indica advogada de direito ao aborto no caso da Suprema Corte para ser juíza federal

Por Nate Raymond (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou nesta sexta-feira uma advogada que representou a clínica do Mississippi que esteve no coração da decisão da Suprema Corte de reverter a decisão de 1973 Roe vs Wade sobre o direito ao aborto nos EUA para se tornar juíza em um tribunal federal de apelações. O último pacote de nove indicações judiciais de Biden inclui Julie Rikelman, uma advogada de direitos ao aborto do Centro para Direitos Reprodutivos que foi escolhida pelo presidente para a Corte Federal de Apelações do 1º distrito em Boston. A indicação, à qual os republicanos devem se opor em um Senado controlado pelos democratas por margem mínima, chega um mês depois de a Suprema Corte, de maioria conservadora, reverter Roe vs Wade, que durante quase cinco décadas garantiu nacionalmente às mulheres o direito constitucional ao aborto. Rikelman havia argumentado contra esse tipo de decisão ao representar a Jackson Women's Health Organization --única clínica de aborto do Mississippi-- contra uma lei apoiada por republicanos que proibiu o aborto após 15 semanas de gravidez. Desde então, a clínica foi fechada após uma proibição quase total no Mississippi que entrou em vigor depois da decisão da corte mais alta dos Estados Unidos. Cerca de metade dos 50 Estados norte-americanos proibiram, devem proibir ou restringir o aborto após a decisão. É esperada a oposição de conservadores ao nome de Rikelman no Senado, onde os democratas estão sendo pressionados por ativistas progressistas a acelerar as confirmações judiciais antes das eleições de meio de mandato, em 8 de novembro, nas quais correm o risco de perder a maioria na Casa para os republicanos. (Reportagem de Nate Raymond, em Boston)Por Nate Raymond (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou nesta sexta-feira uma advogada que representou a clínica do Mississippi que esteve no coração da decisão da Suprema Corte de reverter a decisão de 1973 Roe vs Wade sobre o direito ao aborto nos EUA para se tornar juíza em um tribunal federal de apelações. O último pacote de nove indicações judiciais de Biden inclui Julie Rikelman, uma advogada de direitos ao aborto do Centro para Direitos Reprodutivos que foi escolhida pelo presidente para a Corte Federal de Apelações do 1º distrito em Boston. A indicação, à qual os republicanos devem se opor em um Senado controlado pelos democratas por margem mínima, chega um mês depois de a Suprema Corte, de maioria conservadora, reverter Roe vs Wade, que durante quase cinco décadas garantiu nacionalmente às mulheres o direito constitucional ao aborto. Rikelman havia argumentado contra esse tipo de decisão ao representar a Jackson Women's Health Organization --única clínica de aborto do Mississippi-- contra uma lei apoiada por republicanos que proibiu o aborto após 15 semanas de gravidez. Desde então, a clínica foi fechada após uma proibição quase total no Mississippi que entrou em vigor depois da decisão da corte mais alta dos Estados Unidos. Cerca de metade dos 50 Estados norte-americanos proibiram, devem proibir ou restringir o aborto após a decisão. É esperada a oposição de conservadores ao nome de Rikelman no Senado, onde os democratas estão sendo pressionados por ativistas progressistas a acelerar as confirmações judiciais antes das eleições de meio de mandato, em 8 de novembro, nas quais correm o risco de perder a maioria na Casa para os republicanos. (Reportagem de Nate Raymond, em Boston)

www.swissinfo.ch